O setor do jogo online (casino e apostas) foi legalizado e regulamentado em 2015 e apresenta-se como um dos mais dinâmicos e prometedores do país. Depois de muitos anos de omissão da lei, em que até casas de apostas estrangeiras chegaram a patrocinar a principal liga portuguesa de futebol, as autoridades concluíram que era hora de passar à fase seguinte. Atualmente, o Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos avalia as candidaturas colocadas por empresas nacionais e estrangeiras, emite as respetivas licenças e assegura o cumprimento da legalidade. O número de licenças (e portanto de empresas a operar no mercado nacional de forma legal) não tem parado de crescer desde 2015, tanto em termos de casinos como de apostas desportivas.

Crescimento do mercado

De resto, o próprio mercado encontra-se agora mais maduro. O século XX, quando Casino era o do Estoril (e o da Póvoa) e apostar em futebol era no Totobola, está definitivamente para trás. A internet veio trazer novas possibilidades e as novas gerações, em particular, estão prontas a tirar partido destas novas formas de entretenimento. As apostas desportivas, como as que se encontram no 1xbet, estão em franco crescimento e aceitação; veja-se como até a imprensa desportiva, neste caso A Bola, já considera as tendências das casas de apostas como possuindo suficiente critério informativo.

Ao mesmo tempo, também os casinos “físicos” ou tradicionais estão a dar lugar ao online. Um relatório do primeiro semestre de 2019 dava conta da tendência de perda de receita das salas físicas, em oposição ao crescimento dos jogos de casino na internet e das apostas desportivas pela mesma via. A comodidade do acesso via internet, mercê dos progressos em termos de comunicação (internet de banda larga, dados móveis) e de segurança de pagamentos, tem propiciado este crescimento. E não é por acaso que os principais grupos empresariais ligados ao jogo já lançaram plataformas online, a pensar no futuro.